Encaro cada viagem como uma descoberta, mesmo quando o destino é repetido. Viajar é também uma oportunidade para valorizar coisas que me rodeiam no dia-a-dia — enquanto médico dentista, percebi desde cedo que, em Portugal, se pratica uma medicina dentária de grande qualidade, sendo uma referência para muitos outros países. Idealizei desde cedo que a Clínica Hugo Madeira seria virada para o mundo; temos os olhos bem abertos para os bons exemplos que vêm de fora mas mantemos a ambição de nos tornarmos também nós num bom exemplo seguido por outros.

Em Lisboa, na Clínica Hugo Madeira, não recebemos apenas pacientes vindos de perto, temos o prazer de receber pacientes de toda a Europa e até dos Estados Unidos da América, do Canadá ou de Angola, por exemplo. São pacientes que procuram, sobretudo, tratamentos de implantologia (como próteses fixas totais ou coroas e pontes), aparelhos dentários (como o aparelho invisível removível Invisalign®) e restaurações estéticas (como as facetas dentárias) — tratamentos que exigem poucas visitas à clínica, podendo o acompanhamento ser feito, por vezes, à distância, através de uma plataforma online.

Alguns destes pacientes já tinham visitado Portugal antes de conhecerem a Clínica Hugo Madeira, outros viram no tratamento dentário um pretexto para fazer turismo no nosso país… Seja como for, é um verdadeiro orgulho ser a escolha de pacientes que vêm de tão longe e, paralelamente, contribuir para a imagem de qualidade associada ao nosso país.

A felicidade não é alcançada por todos da mesma forma, bem sei, mas quero acreditar — e todos os nossos esforços vão nesse sentido — que cada pessoa que passa pela Clínica Hugo Madeira, vinda de longe ou de perto, sai daqui mais feliz pela escolha que fez, pelo momento bem passado em cada visita, e pela qualidade que lhe foi prestada no serviço que procurou. No regresso ao país de origem, queremos que a Clínica Hugo Madeira seja uma boa memória para quem nos visitou, estar nas histórias contadas com um sorriso, ser referidos como a clínica que, além de seguir os padrões universais de qualidade, não perde o toque português, continuando a ser a escolha de tantos além-fronteiras.

Artigo originalmente publicado na Revista Cristina.