Clínica

9

Equipa

9

Primeira Consulta

9

Paciente Internacional

9

Tecnologia e Inovação

9

Pagamentos e Financiamento

Tratamentos

9

Branqueamento Dentário

9

Cirurgia Oral

9

Dentisteria

9

Endodontia

9

Tratamentos Endodônticos

9

Higiene Oral

9

Implantes Dentários

9

Oclusão e Bruxismo

9

Odontopediatria

9

Ortodontia

9

Periodontologia

9

Reabilitação Oral

9

Saúde Mental

9

Sono

Conhecimento

9

Formação

Preparamos o futuro com formação especializada

9

Blog

Saiba mais sobre nós e o trabalho da nossa equipa nestes artigos de blog

9

Imprensa

Oclusão e Bruxismo

O que é a Oclusão?

Dentes que “encaixam” mal, ranger os dentes ou fazer muita força nos maxilares são problemas que afetam muitas pessoas, podendo danificar a dentição e prejudicar a saúde geral.

A Oclusão estabelece a relação funcional entre os dentes, a gengiva, a articulação temporomandibular e restantes componentes da cavidade oral. Portanto, também é a área da Medicina Dentária que diagnostica, previne e trata os problemas relacionados com a má oclusão — quando, ao fechar a boca, os dentes encaixam de forma incorreta — e as disfunções temporomandibulares — problemas da articulação da mandíbula.

 

O que é o Bruxismo?

O Bruxismo é uma atividade motora que se deteta através de sinais como o ato de ranger os dentes, de apertar os músculos da mastigação, apertar os dentes, morder as bochechas ou a língua, tanto durante o dia como à noite, durante o sono.

Outros sintomas associados podem variar entre:

  • Dentes desgastados, lascados e/ou partidos;
  • Dor associada aos músculos da face ou na articulação temporomandibular (ATM) — local onde o osso temporal se articula com a mandíbula (maxilar inferior) e que permite realizar vários movimentos como abrir e fechar a boca;
  • Tensão na face e no pescoço ao acordar ou ao fim do dia;
  • Sensibilidade dentária;
  • Dores de cabeça;
  • Estalidos ou ranger da articulação temporomandibular;
  • Bloqueio ou dificuldade em abrir ou fechar a boca;
  • Marcas na língua (língua dentada);
  • Marcas no interior da bochecha (linha alba).

A relação entre o Bruxismo e uma personalidade ansiosa é cada vez mais comum. Há ainda um padrão que associa pessoas focadas, perfecionistas ou com um elevado nível de pressão profissional, pessoal ou emocional com o aparecimento de sinais e sintomas de Bruxismo.

 

A disfunção temporomandibular

A disfunção temporomandibular diz respeito a alterações na articulação temporomandibular (ATM) e/ou nos músculos da mastigação. A principal razão para o seu aparecimento é a falta de lubrificação na ATM, provocada pela tensão excessiva nos grupos musculares que controlam a mastigação, a deglutição e a fala. Nestes casos, encontramos o Bruxismo como um dos principais fatores que desencadeiam, agravam e fazem perdurar a disfunção temporomandibular.

Mas nem sempre a causa é clara e, em muitos casos, a disfunção temporomandibular pode ter origem em vários fatores, como um trauma na mandíbula, cabeça e/ou pescoço. Outras condições sistémicas também podem influenciar, tais como a artrite reumatoide, a fibromialgia, o síndrome do cólon irritável ou qualquer situação que provoque dor crónica.

Também o stress, foco, ansiedade, fatores genéticos ou hormonais podem ser considerados fatores de risco para o Bruxismo e, consequentemente, a disfunção temporomandibular.

 

Os sintomas da disfunção temporomandibular

Existem vários sinais e sintomas que, frequentemente, se fazem acompanhar pelos do Bruxismo e aos quais se deve estar atento, nomeadamente:

  • Desconforto ou dor na mandíbula, mais prevalente ao acordar ou ao fim do dia, ou dificuldade a mastigar;
  • Dores de cabeça e/ou atrás dos olhos, cara, ombros, pescoço, costas — aqui, há necessidade de avaliação médica, caso a dor apareça subitamente e de forma muito intensa;
  • Dores ou zumbidos nos ouvidos que não sejam causados por uma infeção do canal auditivo interno e/ou sensação de ouvido tapado;
  • Estalar ou ranger na mandíbula (sensação de areia);
  • Bloqueio temporário ou permanente na abertura ou encerramento da boca e/ou movimentos limitados da boca;
  • Apertar ou ranger os dentes;
  • Alteração da posição de encaixe dos dentes.

 

Educação, terapia comportamental e terapia farmacológica

Ao avaliar a causa da disfunção temporomandibular torna-se possível explicar como controlar os fatores que podem contribuir para perpetuar a disfunção.

Posteriormente, é iniciada terapia comportamental que, hoje em dia, é uma das mais eficazes armas para o tratamento da disfunção.

Fisioterapia

A fisioterapia apresenta excelentes resultados no tratamento da disfunção temporomandibular, com foco em terapia manual e terapia comportamental.

Goteira oclusal

A goteira oclusal é um dispositivo intraoral, essencial na reabilitação oclusal, que altera a relação entre a maxila e a mandíbula. Cria uma alteração de posição, não só muscular mas também cognitiva, que pode melhorar os sintomas da disfunção temporomandibular, da dor e do cansaço muscular, dos movimentos mandibulares e evitar o desgaste dentário.

Idealmente, é um dispositivo rígido de acrílico, plano, com cobertura em todos os dentes e é utilizado em apenas num maxilar (superior ou inferior).

Infiltrações

As infiltrações podem ser articulares com aplicação de ácido hialurónico, sendo administradas em gabinete. São utilizadas em casos cuidadosamente selecionados, nos quais todos os tratamentos conservadores falharam, em que existe uma patologia degenerativa (desgaste ósseo) na articulação, acompanhada, obrigatoriamente, de dor e limitação de abertura.

Nos casos de dor muscular, é possível realizar infiltrações com anestésico, que diminui o nível de dor. Em casos excecionais, pode realizar-se infiltração com toxina botulínica, que também ajuda no controlo de dor.

Este tratamento é minimamente invasivo.

Referências

  • Lobbezoo F, Kato T, Ahlberg J, et al. International consensus on the assessment of bruxism : Report of a work in progress. 2018;(May):1-8. doi:10.1111/joor.12663.

  • Lobbezoo F, Ahlberg J, Glaros AG, et al. Bruxism defined and graded: An international consensus. J Oral Rehabil. 2013;40(1):2-4. doi:10.1111/joor.12011.

  • Egermark I, Carlsson GE, Magnusson T. A 20-year longitudinal study of subjective symptoms of temporomandibular disorders from childhood to adulthood. Acta Odontol Scand. 2001;59(1):40-48. doi:10.1080/000163501300035788.

  • Report C. Sequential infiltration of sodium hyaluronate in the temporomandibular joint with different molecular weights . Case report. 2015;16(4):306-311. doi:10.5935/1806-0013.20150063.

  • Manfredini D, Peretta R, Guarda-nardini L. Predictive Value of Combined Clinically Diagnosed Bruxism and Occlusal Features For TMJ Pain. 2014;9634. doi:10.1179/crn.2010.015.

  • Manfredini D, Lobbezoo F. Relationship between bruxism and temporomandibular disorders: A systematic review of literature from 1998 to 2008. Oral Surgery, Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endodontology. 2010;109(6):e26-e50. doi:10.1016/j.tripleo.2010.02.013.

  • Rinchuse DJ, Greene CS. Scoping review of systematic review abstracts about temporomandibular disorders: Comparison of search years 2004 and 2017. Am J Orthod Dentofac Orthop. 1988;154(1):35-46.e9. doi:10.1016/j.ajodo.2017.12.011.

  • Lobbezoo F, Naeije M. Bruxism is mainly regulated centrally , not peripherally. 2001.

  • Manfredini D, Guarda-nardini L, Marchese-ragona R. Theories on possible temporal relationships between sleep bruxism and obstructive sleep apnea events . An expert opinion. 2015:1459-1465. doi:10.1007/s11325-015-1163-5.

  • Manfredini D, Stellini E, Gracco A, Lombardo L, Guarda L. Orthodontics is temporomandibular disorder – neutral. 2016;86(4). doi:10.2319/051015-318.1.

  • Guarda-nardini L, Manfredini D, Salamone M, et al. Efficacy of Botulinum Toxin in Treating Myofascial Pain in Bruxers : A Controlled Placebo Pilot Study. 2014;9634. doi:10.1179/crn.2008.017.

  • De G, Canales T, Câmara-souza MB, et al. Is there enough evidence to use botulinum toxin injections for bruxism management ? A systematic literature review. 2017;(901):727-734. doi:10.1007/s00784-017-2092-4.

  • Winocur E, Uziel N, Lisha T, Goldsmith C, Eli I. Self-reported Bruxism – associations with perceived stress , motivation for control , dental anxiety and gagging *. 2010;(6). doi:10.1111/j.1365-2842.2010.02118.x.

  • Sato M, Iizuka T, Watanabe A, Iwase N, Otsuka H, Terada N. O ral Rehabilitation Electromyogram biofeedback training for daytime clenching and its effect on sleep bruxism. 2015;(22). doi:10.1111/joor.12233.

  • de La Hoz-Aizpurua JL, Díaz-Alonso E, Latouche-Arbizu R, Mesa-Jiménez J. Sleep bruxism. Conceptual review and update. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2011;16(2). doi:10.4317/medoral.16.e231.

  • Matsumoto H, Tsukiyama Y, Kuwatsuru R, Koyano K. O ral Rehabilitation The effect of intermittent use of occlusal splint devices on sleep bruxism : a 4-week observation with a portable electromyographic recording device. 2015;(12). doi:10.1111/joor.12251.

  • Dao TTT. ORAL SPLINTS : THE CRUTCHES FOR TEMPOROMANDIBULAR DISORDERS AND BRUXISM ? 1998;9:345-361.

  • Bracci A, Djukic G, Favero L, Salmaso L, Guarda-nardini L, Manfredini D. Frequency of awake bruxism behaviors in the natural environment. A seven- day, multiple-point observation of real time report in healthy young adults. :0-2. doi:10.1111/joor.12627.

  • Manfredini D, Bracci A, Djukic G. BruxApp : the ecological momentary assessment of awake bruxism. Minerva Stomatol. 2016;65(August):252-255.

  • Manfredini D, Serra-Negra J, Carboncini F, Lobbezoo F. Current Concepts of Bruxism. Int J Prosthodont. 2017;30(5):437-438. doi:10.11607/ijp.5210.

  • Clementino MA, Siqueira MB, Paiva SM. The prevalence of sleep bruxism and associated factors in children : a report by parents. Eur Arch Paediatr Dent. 2017;18(6):399-404. doi:10.1007/s40368-017-0312-x.

  • Serra-Negra JM, Pordeus IA, Corrêa-Faria P, Fulgêncio LB, Paiva SM, Manfredini D. Is there an association between verbal school bullying and possible sleep bruxism in adolescents? J Oral Rehabil. 2017;44(5):347-353. doi:10.1111/joor.12496.

  • Serra-negra JM, Martins RC. CURRENT EVIDENCE ABOUT RELATIONSHIPS AMONG PROSTHODONTIC PLANNING AND TEMPOROMANDIBULAR DISORDERS AND / OR BRUXISM. J Evid Based Dent Pract. 2018;18(3):263-267. doi:10.1016/j.jebdp.2018.06.007.

  • Serra-Negra JM, Ramos-Jorge ML, Flores-Mendoza CE, Paiva SM, Pordeus IA. Influence of psychosocial factors on the development of sleep bruxism among children. Int J Paediatr Dent. 2009;19(5):309-317. doi:10.1111/j.1365-263X.2009.00973.x.

  • S JSDD. stop bruxing habits EDUCATION AND MODIFIED. J Am Dent Assoc. 2001;132(9):1275-1277. doi:10.14219/jada.archive.2001.0371.

  • Trial AR. Does Mobilization of the Upper Cervical Spine Affect Pain Sensitivity and Autonomic Nervous System Function in Patients With Cervico-craniofacial Pain ? 2013;29(3):205-215.

  • Ommerborn MA, Taghavi J, Singh P, Handschel J, Depprich RA, Raab WHM. Therapies most frequently used for the management of bruxism by a sample of German dentists. J Prosthet Dent. 2011;105(3):194-202. doi:10.1016/S0022-3913(11)60029-2.

  • Bouchard C, Goulet JP, El-Ouazzani M, Turgeon AF. Temporomandibular Lavage Versus Nonsurgical Treatments for Temporomandibular Disorders: A Systematic Review and Meta-Analysis. J Oral Maxillofac Surg. 2017;75(7):1352-1362. doi:10.1016/j.joms.2016.12.027.

  • Triantaffilidou K, Venetis G, Bika O. Efficacy of Hyaluronic Acid Injections in Patients With Osteoarthritis of the Temporomandibular Joint . A Comparative Study. 2013;24(6):2006-2009. doi:10.1097/SCS.0b013e3182a30566.

  • de Leeuw R, Boering G, Stegenga B, de Bont LGM. Symptoms of Temporomandibular Joint Osteoarthrosis and Internal Derangement 30 Years After Non-Surgical Treatment. CRANIO®. 1995;13(2):81-88. doi:10.1080/08869634.1995.11678049.