A dor de dentes é, segundo a definição da International Association for the Study of Pain (IASP), uma experiência multidimensional, desagradável, envolvendo não só um componente sensorial mas também um componente emocional (Khan, Zusman et al. 2019, Peres, Macpherson et al. 2019).

A percepção de dor pode variar desde uma ligeira moinha até algo lancinante semelhante a um choque elétrico.

A dor aguda (quadro lancinante, normalmente de duração limitada) pode ter como origem lesões de cárie, presença de fissuras ou cracks ou exposição da polpa.
Pode ser desencadeada por estímulos térmicos (frio/calor), ingestão de alimentos ou bebidas doces/azedas ou através da pressão associada à mastigação (Mark 2019).

A dor crónica (quadro lento, moinha, pulsátil/latejante, duração prolongada, pouca intensidade) pode envolver uma área (dente, gengiva) no interior ou exterior da cavidade oral.
Normalmente está associada a uma infeção concomitante (Mark 2019).

No contexto da Medicina Dentária destacam-se várias situações em que pode desenvolver um quadro de dor:
Pulpite que é a inflamação ao nível da polpa, associada a dor exacerbada com extremos de temperatura, estando o seu tratamento relacionado com o estado de reversível ou irreversível (Zanini, Meyer et al. 2017, Hammel and Fischel 2019);
Infeções, desde lesão de cárie até abcesso.
Trauma, que afeta 1/3 da população, mais frequente em incisivos centrais e pode ir desde fratura dentária, deslocamento ou hemorragia (Hammel and Fischel 2019);
Pericoronarite que é a inflamação e infeção associada a um dente em erupção. Muito comum nos terceiros molares (sisos) (Hammel and Fischel 2019).
Hipersensibilidade dentinária que é a resposta dolorosa curta e aguda da dentina exposta em resposta a estímulos térmicos, tácteis, e/ou químicos, em que a dor não está associada a nenhum outro defeito ou patologia (van der Weijden, van Loveren et al. 2017, Marto, Baptista Paula et al. 2019).
– Dor associada à erupção dentária ou após procedimentos cirúrgicos.

O tratamento de todas estas situações é orientado para a eliminação da causa. De acordo com o diagnóstico realizado, o tratamento pode ir desde tratamentos mais simples como remoção da lesão de cárie e restauração, desvitalização do dente até procedimentos como extração dentária, dependendo da extensão, gravidade e severidade da patologia.

É importante realçar de que a percepção de dor é diferente de pessoa para pessoa e que esta é indicativa de algum desequilíbrio.
Assim sendo, aquando de um quadro de dor devem visitar o seu Médico Dentista, que através de um exame completo consegue efetuar um correto diagnostico e elaborar um plano de tratamento adaptado (Hammel and Fischel 2019, Mark 2019).

Marcar Consulta