Clínica

9

Equipa

9

Primeira Consulta

9

Paciente Internacional

9

Tecnologia e Inovação

9

Pagamentos e Financiamento

Tratamentos

9

Branqueamento Dentário

9

Cirurgia Oral

9

Dentisteria

9

Endodontia

9

Tratamentos Endodônticos

9

Higiene Oral

9

Implantes Dentários

9

Oclusão e Bruxismo

9

Odontopediatria

9

Ortodontia

9

Periodontologia

9

Reabilitação Oral

9

Saúde Mental

9

Sono

Conhecimento

9

Formação

Preparamos o futuro com formação especializada

9

Blog

Saiba mais sobre nós e o trabalho da nossa equipa nestes artigos de blog

9

Imprensa

Dentisteria

O que é a Dentisteria?

A Dentisteria é uma das especialidades mais comuns da Medicina Dentária. Isto porque é a área através da qual se trata a doença oral mais comum da nossa sociedade: a cárie dentária. Além disso, a Dentisteria é responsável por resolver casos de traumatologia.

Os procedimentos da Dentisteria focam-se na restauração dentária. Estes tratamentos são necessários quando existem lesões de cárie, fraturas ou alterações de forma e tamanho, defeitos de desenvolvimento de esmalte ou até acertos oclusais. Assim, a Dentisteria é responsável pela restituição da forma e cor original dos dentes.

 

As patologias tratadas pela Dentisteria

Dizemos que a Saúde Oral existe quando os dentes estão livres de patologias. Porém, como vimos, a cárie dentária é a patologia oral mais prevalente na nossa sociedade. Mas há mais a tratar através desta área da Medicina Dentária.

 

Cárie dentária

A cárie dentária é uma doença de origem bacteriana, mas que pode surgir por vários fatores. Numa fase inicial, é assintomática, o que a torna mais perigosa. Com o tempo, perde-se cada vez mais estrutura dentária e os sintomas agravam.

Além da perda estética, a cárie dentária num estado mais avançado provoca dores, sensibilidade dentária e forma-se pus. O pior cenário é a perda dentária. Isto porque as bactérias se convertem em ácidos suficientemente fortes para desmineralizar o esmalte dos dentes, fazendo pequenos furos na superfície dentária, mas que vão crescendo até à total destruição do dente.

A Dentisteria é responsável por tratar dentes com lesões de cárie primária ou secundária.

 

Traumas dentários

Os traumatismos definem-se pela perda de estrutura dentária por micro ou macro trauma. Os microtraumas são os associados às forças oclusais excessivas, muito comuns, por exemplo, em pacientes que apresentam apinhamento dentário severo. Já os macrotraumas, ou forças externas, são os de origem em acidentes, como os de viação, quedas ou desastres desportivos. Aqui, a Dentisteria é responsável por tratar dentes fraturados.

 

Além das lesões de cárie dentária e do resultado de traumas, em Dentisteria também:

  • Encerra diastemas (pequenos espaços entre os dentes);
  • Restitui dentes com tratamento endodôntico;
  • Trata dentes cuja forma não agrada os pacientes (pequenas alterações de forma);
  • Aumenta a mordida para estabilização oclusal.

 

Os tipos de tratamentos da Dentisteria

O restabelecimento e/ou melhoria das características funcionais e estéticas dentárias envolve procedimentos diretos e indiretos. O tipo de restauração a realizar está diretamente relacionado com a estrutura dentária ainda existente, assim como a posição do dente na arcada, que impacta diretamente as forças oclusais a que o mesmo está sujeito.

As restaurações diretas — em resinas compostas, que mimetizam a cor do dente, com alto desempenho mecânico e estético — são exclusivamente realizadas em consultório pelo Médico Dentista. Numa só sessão resolve-se o problema associado ao dente.

Em casos mais extremos, os dentes podem ficar muito destruídos. Nestas situações, há indicação médica para uma restauração indireta, que exige trabalho laboratorial, pelo que o procedimento requer, pelo menos, 2 consultas. As restaurações indiretas reforçam a totalidade do dente, evitando a fratura de paredes fragilizadas pela destruição dentária. As restaurações indiretas podem ser divididas em inlay, onlay e overlay, em função do tamanho do dente e da superfície afetada.

TESTE

Não espere, trate-se

O objetivo dos tratamentos de restauração dentária são a devolução da função estética e mastigatória do dente, com recuperação da forma. Assim, não há alternativa melhor ao tratamento, caso haja lesão por cárie ou trauma.

Conheça as vantagens de procurar um Médico Dentista para restaurar os seus dentes:

  • Menos riscos de infeção — sendo um processo infecioso, quando em dimensões mais avançadas, a cárie pode atingir o nervo do dente. Caso não seja intervencionado a tempo, o dente pode ter de ser desvitalizado ou extraído;
  • Alívio da sensibilidade e/ou dor dentárias — as dores de reação ao frio e ao comer doces, provocadas pelas cáries, desaparecem facilmente com o devido e precoce tratamento das mesmas;
  • Melhoria da estética e recuperação da funcionalidade — por se recorrer ao uso de materiais estéticos, consegue reproduzir-se a naturalidade e a forma do dente;
  • Reforço da estrutura dentária — uma restauração segundo os padrões ideais assegura a longevidade do dente intervencionado.

     

    O passo a passo da restauração dentária

    Conheça os passos que transformam os dentes doentes em versões mais saudáveis e estéticas.

     

    1. Preparação do dente

    Administração da anestesia local ou locoregional.

    Preparação do dente através de isolamento do mesmo e remoção do tecido cariado, quando existente, permitindo a criação da forma da cavidade dentária. 

    1. Restituição da estrutura dentária

    Preparação do substrato dentário e aplicação da técnica adesiva para reconstrução da estrutura perdida, com resinas compostas definitivas. Este procedimento permite devolver a anatomia funcional e estética do dente.

    A escolha da cor é feita com base na cor do dente a tratar.

    1. Conclusão

    Polimento e ajuste da oclusão.

     

    Notas:

    • Nas restaurações indiretas, a primeira consulta consiste na preparação do dente e molde para o laboratório confecionar a peça;
    • Numa segunda consulta, a peça é aderida com técnicas semelhantes às utilizadas nas restaurações diretas. Podem ser realizados procedimentos de radiologia intraoral antes, durante e depois da realização das restaurações;
    • Em alguns casos, dependendo da proximidade com a estrutura pulpar do dente, pode ser realizada uma técnica de proteção e/ou reparação pulpar.
    horizontal dentisteria (filha)

    Cuidados após o tratamento

    Depois de realizar uma restauração dentária, deve ter alguns cuidados básicos, como:

    • Não mastigar alimentos durante o efeito da anestesia;
    • Não beber bebidas quentes durante o efeito da anestesia;
    • Evitar o contacto com alimentos e bebidas pigmentantes nas horas imediatamente a seguir à execução da restauração dentária.

     

    Sintomas após o tratamento

    A seguir ao tratamento, é natural que tenha alguns sintomas. Uns são passageiros, outros podem requerer mais atenção da sua parte. De seguida, damos-lhe todas as indicações:

    Aguarde, que vai passar

    • Alguma sensibilidade ao frio nos primeiros tempos;
    • Gengivas sensíveis e doridas;
    • A cor das restaurações demora cerca de 1 a 2 semanas até estabilizar, altura em que se dá a completa reidratação da estrutura dentária.

    Contacte o seu Médico Dentista

    • Sentir dor ao mastigar é normal nos primeiros 2 dias. Dependendo da técnica anestésica, o ligamento dentário pode ter a perceção de que existe uma inflamação. No entanto, caso esta se mantenha após este período, é imperativo que contacte o seu Médico Dentista para que a oclusão seja ajustada;
    • Em restaurações nos dentes da frente, caso sinta algo anormal nas funções da fala e/ou mastigação, contacte o seu Médico Dentista. Estes dentes são guias funcionais de extrema importância e é fundamental que haja uma correta adaptação e estabilidade oclusal.

    Sinais de inflamação irreversível, contacte o seu Médico Dentista urgentemente

    • Caso tenha sensibilidade e/ou dor ao quente;
    • Dor pulsada, como o “bater do coração”;
    • Dor espontânea aguda, que perdura;
    • Dor quando está na posição deitada.
    dentisteria

    Referências

    • De Kuijper, M.C.F.M., Cune, M.S., Özcan, M., Gresnigt, M.M.M., 2021. Clinical performance of direct composite resin versus indirect restorations on endodontically treated posterior teeth: A systematic review and meta-analysis. The Journal of Prosthetic Dentistry.. doi:10.1016/j.prosdent.2021.11.009
    • Kunz, P.V.M., Wambier, L.M., Kaizer, M.D.R., Correr, G.M., Reis, A., Gonzaga, C.C., 2022. Is the clinical performance of composite resin restorations in posterior teeth similar if restored with incremental or bulk-filling techniques? A systematic review and meta-analysis. Clinical Oral Investigations 26, 2281–2297.. doi:10.1007/s00784-021-04337-1
    • López, R., Smith, P.C., Göstemeyer, G., Schwendicke, F., 2017. Ageing, dental caries and periodontal diseases. Journal of Clinical Periodontology 44, S145–S152.. doi:10.1111/jcpe.12683
    • Kumar, S., Tadakamadla, J., Johnson, N.W., 2016. Effect of Toothbrushing Frequency on Incidence and Increment of Dental Caries. Journal of Dental Research 95, 1230–1236.. doi:10.1177/0022034516655315
    • Moraschini, V., Fai, C. K., Alto, R. M., & dos Santos, G. O. (2015). Amalgam and resin composite longevity of posterior restorations: A systematic review and meta-analysis. Journal of Dentistry, 43(9), 1043–1050. doi:10.1016/j.jdent.2015.06.005
    • https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5852929/
    • Demarco, F. F., Collares, K., Coelho-de-Souza, F. H., Correa, M. B., Cenci, M. S., Moraes, R. R., & Opdam, N. J. M. (2015). Anterior composite restorations: A systematic review on long-term survival and reasons for failure. Dental Materials, 31(10), 1214–1224. doi:10.1016/j.dental.2015.07.005